quarta-feira, 30 de junho de 2010

ROJO@NOVA Reúne Arte Contemporânea Multidimensional no MIS - São Paulo

Exposição interativa será construída ao longo de sete semanas por artistas de todo o mundo.

Para comemorar seus 40 anos o Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS) recebe entre os dias 1º de julho e 15 de agosto a mostra ROJO@NOVA - Cultura Contemporânea, novo projeto da ROJO@ - mix de museu, galeria e organização cultural do espanhol David Quiles Guilló, que se dedica a revelar o trabalho de novos talentos da arte.

O projeto reúne mais de 50 artistas, entre jovens talentos e profissionais aclamados pela crítica, em uma exposição que será construída ao longo das sete semanas de duração da mostra. A ideia é que os espectadores possam vivenciar o processo criativo de uma arte contemporânea diversa e multidimensional que reúne arte visual, experimentalismo, recursos tecnológicos e técnicas contemporâneas diversas.

Mark Jenkins, Maya Hayuk, Krink, Kit Webster, Flávio Samelo, Ryuichi Kurokawa, Robert Seidel, Fuck Buttons, Tunng, Sin Fang Bous, Isan e Objeto Amarelo, entre outros - se revezarão pelo espaço trabalhando em grupo para formar a exposição que, entre outras coisas, contará com instalações, “frescos”, ilustrações feitas à mão, arte digital, performances e audiovisuais.



Além da exposição, a mostra apresenta um line-up de músicos e artistas nacionais e internacionais com mais de 45 shows, além de sessões de cinema. Para ver a programação acesse o site do MIS.

Serviço
ROJO@NOVA - Cultura contemporânea
Quando: 1º de julho a 15 de agosto de 2010
Horários: Terça - sábado, 12:00 - 19:00; domingos e feriados, 11:00 - 18:00
Onde: Museu da Imagem e do Som de São Paulo – MIS
Local: Av. Europa, 158, Jardim Europa

Texto e imagem: Criativa

Link para o MIS (Museu da Imagem e do Som de São Paulo)

domingo, 27 de junho de 2010

Inteligência Artificial: mostra chega à quinta edição.


SÃO PAULO - Todo artista lida com surpresas ao criar uma obra. Mas, na 5ª edição da Bienal Internacional de Arte e Tecnologia do Itaú Cultural, o imprevisível foi pré-requisito para a seleção dos trabalhos. Emoção Art.Ficial 5.0 - Autonomia Cibernética reúne artistas nacionais e internacionais que criaram obras baseadas em sistemas ‘autônomos’. "Por sua programação, esses sistemas têm a capacidade de elaborar suas próprias regras de interação", explica o curador Marcos Cuzziol.

É o que acontece no vídeo ‘Evolved Virtual Creatures’, de Karl Sims, que mostra um computador gerando ‘seres’ mutantes a partir de bloquinhos virtuais, sem interferência do artista. Em ‘Bion’, de Adam Brown e Andrew H. Fagg (foto), esculturas reagem à presença do público emitindo sons. E o Grupo Poéticas Digitais, formado por 15 brasileiros, coloca na calçada da Avenida Paulista árvores reais com dispositivos eletrônicos que captam o barulho da via - e agitam seus galhos de acordo com o nível de poluição sonora. Tão imprevisível quanto o trânsito do local.

ONDE: Itaú Cultural. Av. Paulista, 149, 2168-1776. QUANDO: 9h/20h (sáb., dom. e fer., 11h/20h; fecha 2ª). Abre 5ª (1). Até 5/9.

Texto: Marina Vaz - O Estado de S. Paulo
Imagem: obra - 'Bion',de Adam Brown e Andrew H.Fagg

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Livro: Arte Afro-Brasileira


O livro discute a problemática cultural afro-brasileira e suas manifestações artísticas, desde a vinda dos africanos para o Brasil e sua escravidão na Colônia, até às mudanças de configurações culturais e artísticas no império, na modernidade e na contemporaneidade.

Arte Afro-brasileira é o segundo número da Série Historiando a Arte Brasileira, que discute um tema específico da História da Arte Brasileira e sua aplicação pedagógica (em sala de aula). As orientações didáticas deste título foram elaboradas pelos professores Lúcia Gouvêa Pimentel e Alexandrino do Carmo. A série é coordenada por Marília Andrés Ribeiro e Fernando Pedro da Silva e tem o apoio do Comitê Brasileiro de História da Arte.

Roberto Conduru é pesquisador da cultura artística afro-brasileira, professor da UERJ e da PUC/RIO. Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela UFRJ, especialista em História da Arte e Arquitetura, mestre em História Social da Cultura pela PUC/RIO e doutor em História pela Universidade Federal Fluminense. Publicou Willys de Castro (2005) e Vital Brazil (2000) pela CosacNaify, entre outros livros. Atualmente é presidente do Comitê Brasileiro de História da Arte.

Arte Afro-Brasileira - Coleção Didática
Autor: Roberto Conduru
Brochura, 128 páginas, 16 x 24 cm
ISBN: 978-85-7654-047-2
Data de publicação: 2007

Texto e imagem: comartevirtual.com.br

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Museu Amazônico Abre as Portas para Exposição de Arte Ticuna.


MANAUS - O Museu Amazônico (Musam) realiza a exposição da coleção pessoal de Jair Jacmont de arte Ticuna. A mostra traz utensílios como máscara e bastões de ritmo, estatuetas de madeira molongó e muirapiranga, entre outros materiais, associados ao ritual Ticuna da “moça nova”.

Segundo o professor e diretor do Musam, Sérgio Gil, a exposição quer ampliar o conhecimento da arte Ticuna. “A seleção feita por Jacmont não deixa dúvida que se trata de arte indígena da melhor qualidade”, afirmou. Ele acrescentou ainda que as obras tem importância antropológica, de história, museologia, estética, entre outras áreas de conhecimento.

A coleção foi montada com a compra nos anos de 1970 de diversas peças comercializadas próximo ao Mercado Público de Manaus. O prédio do Musam está localizado na Rua Ramos Ferreira, 1036, Centro de Manaus. A exposição segue até o dia 9 de julho, de 8h às 17 h. (IP)

Texto e Imagem: Portal Amazônia

domingo, 20 de junho de 2010

Exposição 'Con tatos em Rede' na galeria do Centro Cultural FCSN - Rio de Janeiro


Quem diria que uma reformulação no sistema metodológico do ensino de arte, no estado do Rio resultaria numa bela exposição de arte? Pois foi o que aconteceu, dando origem à mostra "Con tatos em rede", na galeria do Centro Cultural Fundação CSN, em Volta Redonda, até o próximo sábado, dia 26 de junho.

- A exposição é um recorte desse processo. O ensino de arte no estado do Rio está passando por uma reformulação. Nesse contexto, percebemos que a nossa região precisa de uma coisa que seja mais a cara dela, uma caracterização - diz a coordenadora estadual do ensino de arte, Vanda Moreira Eurico Lacerda.

Ela, que assina a curadoria junto ao professor Ayrton Ferreira da Costa Júnior, conta que tudo começou em 2008, quando teve início o tal processo de reformulação. Na época, o trabalho deu origem à exposição "Cultura Brasileira: Caminhos Percorridos".

- Foi uma mostra muito bonita em outubro de 2008, na qual destacamos elementos formadores da nossa cultura, como a herança indígena. Além disso, trouxemos uma especialista no assunto, a doutora Anamélia Bueno Buoro para dar um curso aos professores - acrescenta.

Para Vanda, essa é mais uma demonstração de uma parceria já consolidada entre o projeto e a Fundação CSN. Ela não só abriga a exposição como promove atividades para os professores dentro do tema a ser tratado. Este ano, os arte-educadores participantes do projeto receberão o curso "Jogos com a visualidade, troca de criações visuais no contexto escolar".

- Temos ao todo, 12 professores da região participantes. O curso tratará a maneira como eles abordam a arte contemporânea na sala de aula - explica a coordenadora.

Mas, afinal, o que verá o visitante que for à galeria? São imagens e desenhos apresentados em grandes banners. Cada professor produziu um trabalho em sala, junto aos alunos. Cada trabalho foi analisado e modificado - com justificativas - por um outro professor com sua turma. Assim, essas trocas foram originando as obras que estão expostas.

- Daí, surgiu o nome "Con tatos em rede". Com esse contato, os professores estão criando uma nova metodologia para o ensino da arte nas escolas. É uma troca de experiências feitas no contexto escolar, dentro dessa rede que criamos entre os participantes e as escolas - justifica Vanda.

Texto: Clarissa Coli
Imagem: Diário do Vale

sexta-feira, 18 de junho de 2010

9ª Edição da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis


Maior Mostra de Cinema Infantil do País Reúne Filmes de 14 Estados Brasileiros e Dez Países em Florianópolis

Primeiro evento no país dedicado ao audiovisual produzido para crianças, a Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis chega à nona edição, de 19 de junho a 4 de julho, como um termômetro do que há de mais significativo na produção nacional voltada ao público jovem.

Além dos 73 curtas brasileiros selecionados para a Mostra Competitiva, a versão 2010 do evento reserva a pré-estreia do longa-metragem Eu e meu guarda-chuva, dirigido por Toni Vanzolini. A programação prevê a exibição de curtas do Irã, Índia, Alemanha, Espanha, Inglaterra, Rússia, França, Bélgica, Holanda e Estados Unidos.

Segundo a diretora da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis, Luiza Lins, o evento está “cada vez mais internacional, criando um diálogo com outras linguagens e culturas e abrindo espaço crescente para curtas-metragens inéditos no Brasil”.

Além dos curtas estrangeiros, esta edição promove também a pré-estreia internacional de três longas: a ficção indiana Somos todos diferentes (Taare Zameen Par), de Aamir Khan, a animação alemã O melhor amigo da Lua (Moonbeam Bear), de Mike Maurus e Thomas Bodenstein, e a animação O segredo de Kells (Brendan et le secret de Kells), co-produção entre Irlanda, França e Bélgica dirigida por Tomm Moore.

Ao longo de 16 dias, alunos dos ensinos fundamental e médio, educadores, pesquisadores, cineastas e o público em geral alternam-se entre a plateia do Teatro Governador Pedro Ivo e as salas de debate do Majestic Palace Hotel, na capital catarinense.

A previsão é de que este ano 25 mil crianças assistirão aos filmes no teatro ou em suas comunidades. Para os estudantes de escolas públicas, a Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis oferece transporte gratuito até o Teatro Governador Pedro Ivo.

Direcionada desde seu surgimento para o fortalecimento do setor audiovisual e das políticas públicas voltadas para a infância e a juventude, a Mostra abriga em paralelo o seu 3º Pitching, uma seleção pública de projetos audiovisuais que pretendem habilitar-se a disputar recursos internacionais no Fórum de Financiamento do BUFF Festival, na Suécia –mesmo mecanismo que premiou o filme Eu e meu guarda-chuva, da Conspiração Filmes, no 1º Pitching.

“O lançamento de Eu e meu guarda-chuva no circuito comercial está previsto para outubro”, conta Luiza Lins. “Fazer em Florianópolis a primeira exibição pública dele no país é fechar um ciclo: ele ganhou o Pitching de 2008, recebeu um impulso importante no mercado de coproduções internacionais e volta agora para mostrar o resultado no evento que ajudou a abrir portas fora do Brasil”, diz. “É uma demonstração clara da importância desse mecanismo para inserir os produtores e projetos audiovisuais brasileiros no mercado internacional de financiamento e distribuição.”

A programação “adulta” inclui a realização do 6º. Encontro Nacional do Cinema Infantil, voltada este ano ao Cinema para Jovens (no domingo, dia 26, das 14h30 às 18h), e o 3º. Fórum de Cinema e Educação, que enfoca pesquisas e experiências na área (segunda, dia 27, das 14h às 18h).

A porção reflexiva inclui ainda o lançamento do livro Práticas culturais e consumo de mídia entre crianças, organizado por Gilka Girardello e Monica Fantin, com lançamento do Núcleo de Publicações do CED/UFSC, e do dossiê Educação, Comunicação e Tecnologia, organizado por Monica Fantin, Gilka Girardello e Elisa Quartiero para a Revista Perspectiva, também do CED/UFSC.

Além dos filmes, a programação infanto-juvenil envolve bate-papos com atores e diretores, oficinas, exposição de fotografias, videoteca, sala de leitura (da Biblioteca Barca dos Livros), mostras itinerantes pelos bairros da capital e da Grande Florianópolis e pocket-shows.

No encerramento, dia 04 de julho, Arnaldo Antunes apresenta o show Pequeno Cidadão, em duas sessões, às 15h e às 18h, no Teatro Álvaro de Carvalho. A banda é formada por nomes com destaque no cenário nacional: o guitarrista Edgard Scandurra (ex-Ira!), a tecladista Taciana Barros (ex-Gang 90) e o compositor Antonio Pinto (autor de inúmeras trilhas sonoras para filmes, inclusive no mercado hollywoodiano, e filho do cartunista Ziraldo).

Neste ano, a Mostra ampliou a premiação dos filmes vencedores com uma parceria fechada com a TV Brasil. Serão quatro prêmios-aquisição no valor de R$ 5.000,00. As categorias de Melhor Ficção e Melhor Animação serão escolhidas por um júri formado por profissionais de cinema e de educação, composto por Gilka Girardello (UFSC), Arthur Nunes (Animaking), Marco Stroisch (presidente do Funcine) e Igor Pitta (animador). O Melhor Filme será definido pelo júri popular, com votação do público, e o Prêmio Especial será indicado por um júri formado por crianças. Até 2009, a Mostra oferecia um prêmio de R$ 1.000,00.

Texto: portaldapropaganda.com.br
imagem: filme "As férias do lord Lucas" (Tatiana Naquete)

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Seminário Internacional - Políticas Educacionais e Trabalho Docente: Perspectiva Comparada


O Arte: Pesquisa e Ensino está acompanhando o Seminário Internacional – Políticas Educacionais e Trabalho Docente: Perspectiva Comparada, promovido por Grupos de Estudos ligados a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Federal do Pará (UFPA). A programação do Seminário, dividida em dois momentos, teve início no auditório do Instituto de Ciências Jurídicas da UFPA, aonde irá se estender até o dia 15/06, posteriormente, entre os dias 16 e 18/06, os debates ocorrerão no Campus da UFMG.

O Seminário tem como objetivo “apresentar, analisar, debater e avaliar algumas políticas educacionais em um quadro do Brasil, da América Latina e da França, buscando conhecer e comparar essas ações, no intuito de construir quadros referenciais”.

Na manhã de hoje (14/06), após o pronunciamento da professora Dra. Olgaíses Cabral Maués, responsável pela Coordenação Geral do Seminário, ocorreu a primeira conferência ministrada pelo Dr° Jean Louis Derouet (INRP/França) cujo tema foi “A Pesquisa em Política Educacional: Relação Entre Administração Pública e Interesse Acadêmico”. No período da tarde, a mesa do Seminário composta por Dalila Oliveira (UFMG/Brasil), Myriam Feldfeber (UBA/Argentina) e Olgaíses Maués (UFPA/Brasil) abordou a “Regulação das Políticas Sobre a Formação e Trabalho Docente”.

Em seu primeiro dia, a despeito da paralisação do trânsito de Belém por um protesto de caminhoneiros, o Seminário contou com uma significativa presença de docentes e pesquisadores no auditório do ICJ; empenhados em ouvir e debater os temas referentes às políticas educacionais e ao trabalho docente.

Texto e imagem: Arte: Pesquisa e Ensino

quinta-feira, 10 de junho de 2010

O adeus do mestre Antônio Poteiro



As artes visuais perderam um ícone da pintura primitivista brasileira com a morte de Antônio Poteiro. O corpo dele foi enterrado às 19 h de anteontem no cemitério Jardim das Palmeiras. Aos 84 anos, estava internado há mais de uma semana no Hospital e Maternidade Jardim América, em Goiânia, e lutava contra um câncer. Poteiro morreu na madrugada de terça-feira após parada cardiorrespiratória. O hospital não deu mais informações a pedido da família do artista.

Nascido em Santa Cristina da Posse, em Portugal, com o nome de Antônio Batista de Souza, ele era considerado um dos mestres da pintura primitiva brasileira.

No início da carreira trabalhava com esculturas e cerâmica, com destaque para animais, máscaras, bonecos e figuras religiosas, como uma série desenvolvida por ele sobre deuses. Ainda na década de 1960, quando criava suas esculturas, ganhou o apelido de Antônio Poteiro. Entre os trabalhos mais conhecidos do artista, O Abraço, Presépio da Tartaruga e Deus Animal.

Nos anos 1970, incentivado por Siron Franco e Cléber Gouvea, começou a pintar. Autodidata, desde a década anterior já realizava exposições coletivas e individuais pelo País e no exterior. Entre elas, destaque para bienais na Itália e outras mostras em Portugal, Cuba, Estados Unidos, Alemanha e França. No Brasil, o artista participou das edições de 1981 e 1991 da Bienal de São Paulo.

Poteiro ganhou reconhecimento ao longo de sua carreira conquistando diversos prêmios, como o concedido pela Associação Paulista dos Críticos de Artes (APCA), na categoria Esculturas, em 1985, e no Salão Nacional de Arte do Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte, em 1982.

Anteontem, Poteiro foi homenageado no plenário de Brasília pelo senador Marconi Perillo (PDSB-GO), com o seguinte discurso: "Ele deixará certamente uma lacuna, não apenas para o mundo cultural goiano, mas também do Brasil. Pintor e escultor consagrado, teve suas obras, centenas delas, adquiridas por colecionadores, não só do Brasil, mas de diversas partes do mundo."

Figura central de documentários como Antônio Poteiro: O Profeta do Barro e das Cores (1983), dirigido por Antônio Eustáquio, e Antônio Poteiro (1991), de Ronaldo Duque, o artista plástico imprimiu um estilo muito próprio tanto na pintura quanto na escultura, recebendo em seu site oficial depoimentos carinhosos de nomes de peso, como Frederico Morais, Roberto Pontual, Ferreira Gullar, Wilson Coutinho, Walmir Ayala, Georges Racz, Olívio Tavares de Araújo e Brasigóis Felício. Segundo este, "a impressão que nos transmitem as pinturas e a cerâmica de Antônio Poteiro é a de que foram extraídos do cerne da vida, transfigurados em arte por um impulso criador ao mesmo tempo ingênuo e requintado... Antônio Poteiro é um inspirado poeta das cores e do barro". Para Racz, "Poteiro sonha as suas telas, soluciona o espaço, as cores e as figuras, como só uma criança consegue... pintura poderosa, abençoadamente bela".

Poteiro deixa mulher e três filhos, um deles o ceramista Américo Souza Neto.

Textp: Lucas Nobile

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Seminário sobre o ensino de Arte está com inscrições abertas


O evento acontece entre os dias 26 e 30 de julho, no Centro de Ciências Sociais Aplicadas da UFPE

O 2º Seminário Nacional Sesc de Arte-Educação, realizado pelo Sesc Piedade, está com as inscrições abertas até o dia 16 de julho. Com apoio do Departamento Nacional da instituição, e do Centro de Artes e Comunicação (CAC) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o evento acontece entre os dias 26 e 30 de julho, no Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA) da universidade.

O evento, que homenageia o professor Marco Camarotti, tem como objetivo promover o diálogo em torno das metodologias e práticas de ensino que utilizam as linguagens artísticas. O custo é de R$ 70 para o público geral e R$ 35 para comerciários e dependentes. As inscrições devem ser realizadas no Sesc Piedade ou no CAC.

Outras informações: (81)3361.0097.

Texto:pe360graus.com
Imagem:foto ilustrativa

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Bienal de São Paulo divulga lista de artistas para a 29ª edição


Exposição terá 148 artistas que abordarão o tema da relação entre a Arte e a Política

SÃO PAULO - A Fundação Bienal de São Paulo divulgou nesta terça-feira, 1, a lista dos artistas que participarão da 29ª edição de sua mostra de arte, que acontecerá entre os dias 25 de setembro e 12 de dezembro no Parque do Ibirapuera.

Com o título "Há Sempre um Copo de Mar para um Homem Navegar", inspirado em verso do poeta alagoano Jorge de Lima, a exposição deste ano contará com 148 artistas que abordarão o tema da relação entre a Arte e a Política. Veja a lista dos artistas selecionados:

Nacionais

Albano Afonso, Alice Miceli, Amélia Toledo, Antonio Dias, Carlos Teixeira, Carlos Vergara, Carlos Zilio, Cildo Meireles, Cinthia Marcelle, Daniel Senise, David Cury, Eduardo Coimbra, Efrain Almeida, Ernesto Neto, Fernando Lindote, Flávio de Carvalho, Gil Vicente, Graziela Kunsch, Guy Veloso, Hélio Oiticica, Henrique Oliveira, Jonathas de Andrade, José Leonilson, José Spaniol, Juliana Stein, Kboco e Roberto Loeb, Livio Tragtenberg, Luiz Zerbini, Lygia Pape, Marcelo Silveira, Marilá Dardot e Fábio Morais, Maria Thereza Alves, Matheus Rocha Pitta, Milton Machado, Nelson Leirner, Nuno Ramos, Pixação SP, Rex Time, Rochele Costi, Rodrigo Andrade, Ronald Duarte, Rosangela Rennó, Tamar Guimarães, Tatiana Blass, Oswaldo Goeldi e Paulo Bruscky

Internacionais

Adrian Piper (EUA), Aernout Mik (Holanda), Ai Weiwei (China), Alberto Greco (Argentina), Alessandra Sanguinetti (EUA), Alfredo Jaar (Chile), Allan Sekula (EUA), Allora & Calzadilla (EUA e Cuba), Amar Kanwar (India), Ana Gallardo (Argentina), Andrea Büttner (Alemanha), Andrea Geyer (Alemanha), Andrew Esiebo (Nigéria), Anna Maria Maiolino (Itália), Anri Sala (Albânia), Antonieta Sosa (EUA), Antonio Manuel (Portugal), Apichatpong Weerasethakul (Tailândia), Archigram Group (Inglaterra), Artur Barrio (Portugal), Artur Zmijewski (Polônia), Bofa da Cara - Pere Ortín (Espanha), Nástio Mosquito (Angola), CADA - Colectivo Acciones de Arte (Chile), Carlos Bunga (Portugal), Carlos Garaicoa (Cuba), Chantal Akerman (Bélgica), Claudia Joskowicz (Bolívia), Claudio Perna (Venezuela), David Claerbout (Bélgica), David Goldblatt (África do Sul), David Lamelas (Argentina), David Maljkovic (Croácia), Deimantas Narkevicius (Lituânia), Dora Garcia (Espanha), Douglas Gordon (Escócia), Eduardo Navarro (Argentina), Emily Jacir (Palestina), Enrique Jezik (Argentina), Filipa César (Portugal), Fiona Tan (Indonésia), Francis Alÿs (Bélgica), Gabriel Acevedo (Peru), Gustav Metzger (Alemanha), Guy de Cointet (França), Harun Farocki (Alemanha), Ilya Kabakov (Rússia), Isa Genzken (Alemanha), Jacobo Borges (Venezuela), James Coleman (Irlanda), Jeremy Deller (Inglaterra), Jimmie Durham (EUA), Joachim Koester (Dinamarca), Jonas Mekas (Lituânia), José Antonio Vega Macotela (México), Joseph Kosuth (EUA), Julie Ault e Martin Beck (EUA e Áustria), Karina Skvirsky Aguilera (EUA), Kendell Geers (África do Sul), Kiluanji Kia Henda (Angola), Kutlug Ataman (Turquia), Manfred Pernice (Alemanha), Manon de Boer (Índia), Marcius Galan (EUA), Mário Garcia Torres (México), Marlene Dumas (África do Sul), Marta Minujin (Argentina), Mateo López (Colômbia), Miguel Angel Rojas (Colômbia), Miguel Rio Branco (Espanha), Mira Schendel (Suíça), Moshekwa Langa (África do Sul), Nan Goldin (EUA), NS Harsha (India), Oscar Bony (Argentina), Otobong Nkanga (Nigéria), Otolith Group (Inglaterra), Palle Nielsen (Dinamarca), Pedro Barateiro (Portugal), Pedro Costa (Portugal), Roberto Jacoby (Argentina), Qiu Anxiong (China), Raqs Media Colective (Índia), Runa Islam (Bangladesh), Sandra Gamarra (Peru), Sara Ramo (Espanha), Simon Fujiwara (Inglaterra), Sophie Ristelhueber (França), Steve McQueen (Inglaterra), Sue Tompkins (Inglaterra), Superstudio (Itália), Susan Philipsz (Escócia), Tacita Dean (Inglaterra), Tatiana Trouvé (Itália), Tobias Putrih (Eslovênia), UNStudio (Holanda), Wendelien van Oldenborgh (Holanda), Wilfredo Prieto (Cuba), Yael Bartana (Israel), Yoel Vazquez (Cuba), Yonamine Miguel (Angola), Yto Barrada (França) e Zanele Muholi (África do Sul).

Texto: Estadão.com.br
Imagem: Cartaz da Bienal